Notícias

Terceira fase da Operação Maranhão entrega quatro toneladas de suprimentos e visa atender 30.000 indígenas

Brasília (DF), 03/10/2020 - Realizada em conjunto pelos Ministérios da Defesa, da Saúde, e da Justiça e Segurança Pública, a terceira fase da Operação Maranhão entregou mais duas toneladas de medicamentos, testes para detecção do novo coronavírus e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). No total, foram mais de quatro toneladas de suprimentos de saúde enviados durante essa ação interministerial, que é uma das várias missões desenvolvidas pelo Governo Federal e visa a assistir comunidades indígenas durante a Operação Covid-19.

MD NOTICIAS 20201003 NOT01 F01A primeira parte do material, junto com uma equipe de 14 médicos, dois enfermeiros, seis auxiliares de enfermagem e dois veterinários das Forças Armadas, foi enviada para Imperatriz (MA) no dia 29 de setembro, a fim de ajudar indígenas nos polos de Arame, Amarante e Grajaú. Nessa sexta-feira (2), outra aeronave C-105 Amazonas da Força Aérea transportou de Brasília para Imperatriz, em voo de aproveitamento, duas toneladas de suprimentos de saúde. Até 5 de outubro, quando termina a terceira fase da Operação Maranhão, esses profissionais levarão atendimento especializado a 12.216 pessoas, além de animais de pequeno porte, nas aldeias de Zutiuá, Juçaral, Uruçu Juruá, Bacurizinho e Planalto, da etnia Guajajara.

Em apresentação pouco antes da decolagem, o porta-voz do Ministério da Defesa (MD), Vice-Almirante Carlos Chagas, explicou a importância desses seis meses da Operação Covid-19 para a população brasileira. “As ações das Forças Armadas nesta missão estão amparadas nos artigos 4º e 142º da Constituição Federal e leis complementares. Destinam-se à defesa da Pátria. Enquanto todo o Brasil parou durante a crise da Covid-19, os militares continuaram trabalhando, com o emprego contínuo e ininterrupto das suas atividades, em defesa do espaço marítimo, terrestre e aéreo”, enfatizou.

O Vice-Almirante destacou ainda que as Forças Armadas atuam intensamente no transporte de órgãos, na distribuição de água potável, na evacuação aeromédica, no transporte de material de saúde, em ações de busca e salvamento, dentre muitas outras, realizadas em prol dos cidadãos de todo o País. “Entre as principais missões em curso estão as Operações Verde Brasil 2, Pantanal, Acolhida e Covid-19, além das missões de paz das Nações Unidas, por meio da Operação UNIFIL”, acrescentou.

MD NOTICIAS 20201003 NOT01 F02

Na sequência, o Secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do MD, General de Exército Manoel Luiz Pafiadache, apresentou dados dos atendimentos à população indígena, desde o início da pandemia. “Já levamos 268 profissionais de saúde das três Forças Armadas para atender indígenas de várias etnias. Nesse período, 99.200 pessoas foram beneficiadas em terras indígenas. Nesta terceira fase da Operação Maranhão, estamos levando também veterinários, para atender os animais presentes nas aldeias”, afirmou.

O Secretário Especial de Saúde Indígena, Robson Santos da Silva, terceiro palestrante da tarde, informou que, de janeiro a julho deste ano, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) realizou sete milhões de atendimentos em várias comunidades indígenas, com o objetivo de diminuir a disseminação da doença. “Vinte e oito milhões de insumos chegaram às aldeias nesse período”, ressaltou.

O Comandante da aeronave C-105 Amazonas, Capitão Aviador Adriel Araújo Ribeiro Nunes, expressou seu sentimento por participar da ação. “É um orgulho para o Esquadrão Arara participar dessas missões, integrando o nosso território nas regiões mais longínquas do País, levando um pouco de prosperidade aos que mais precisam”, disse.

MD NOTICIAS 20201003 NOT01 F03

As três fases da Operação Maranhão tiveram início em 14 de setembro e finalizarão em 5 de outubro, com o objetivo de atender mais de 30 mil indígenas. A fim de oferecer atendimentos especializados no combate ao novo coronavírus, médicos e enfermeiros das três Forças Armadas foram destacados dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Pará e Maranhão nas primeiras fases da Operação, que ocorreram de 14 a 28 de setembro. Esses profissionais prestaram atendimento a populações das Terras Indígenas nos Polos Bases de Barra do Corda, Santa Inês e Zé Doca.

Além dos militares de saúde da Marinha, do Exército e da Força Aérea, profissionais da SESAI também integram a equipe, formada por clínicos gerais, pediatras, ginecologistas, infectologista, enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos veterinários.

Operação COVID-19
A Operação Covid-19, coordenada pelo Ministério da Defesa, mobiliza militares por todo o Brasil. Homens e mulheres das Forças Armadas atuam no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, em apoio à população. As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, entre outras. Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em 10 Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, bem como no Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE).

Por Ten Flávia Rocha/FAB
Fotos: Soldado Marley/FAB

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa

(61) 3312-4071